Quer entender melhor o que é crowdsourcing e por que essa tendência deve entrar de vez no seu radar?

Essa é uma ótima ideia, já que você está diante de uma verdadeira revolução na gestão de empresas — mesmo que ainda não tenha se dado conta.

E não estamos exagerando.

Com o crowdsourcing, você pode:

  • Ouvir as vozes de colaboradores, clientes e gestores
  • Extrair insights valiosos a partir de uma massa gigantesca de dados
  • Obter insumos concretos para a tomada de decisões
  • Otimizar e refinar processos a partir de feedbacks regulares dos envolvidos na operação e no planejamento.

Assim, em vez de depender apenas de uma pessoa ou de um grupo muito restrito, o crowdsourcing permite contato com um manancial rico e vasto de respostas para as principais encruzilhadas e oportunidades de uma organização.

Parece uma boa ideia?

Então é hora de dar as boas-vindas a esse novo termo, analisar sua aplicação nas empresas e, finalmente, somar esforços em nome de um objetivo em comum: o sucesso do seu negócio.

Para isso, navegue pelos seguintes tópicos:

  • O que é crowdsourcing nas empresas
  • Como funciona na prática
  • Exemplos de crowdsourcing
  • Diferença entre crowdsourcing e crowdfunding
  • Plataforma de crowdsourcing.

Pronto para utilizar a força das multidões em prol do seu negócio? Então siga a leitura.

O que é crowdsourcing

O crowdsourcing é o processo de terceirizar tarefas, ideias e soluções para um grande grupo de pessoas, que contribuem coletivamente para atingir os objetivos de uma organização.

Para explicar melhor, precisamos partir do conceito atual e aprofundar a história desse termo que se tornou tendência.

A palavra deriva da união de crowd (multidão) com outsourcing (terceirização), e foi cunhada pelo jornalista Jeff Howe, em 2006.

Como o próprio autor do termo defende, o crowdsourcing é inseparável da internet, embora sua essência não tenha nascido com a tecnologia.

Na realidade, a transformação digital apenas viabilizou a união de massas de pessoas em torno de um objetivo comum, por meio de ferramentas que encurtam distâncias e facilitam a colaboração coletiva.

Mas o potencial das mentes unidas é intrínseco à experiência humana, como expõe o filósofo Pierre Lévy em sua teoria da inteligência coletiva.

O autor explora o poder da colaboração entre muitos indivíduos, que somam seus conhecimentos para criar uma inteligência única, capaz de mobilizar competências muito além do indivíduo.

Já o jornalista James Surowiecki acredita que as decisões e soluções em grupo são quase sempre melhores que as individuais.

Em seu livro A sabedoria das multidões (Editora Record, 2006), ele argumenta que as massas sábias se formam a partir da diversidade de opiniões, independência, descentralização e agregação.

Historicamente, líderes de várias épocas recorreram à sabedoria do povo para solucionar desafios que nem os especialistas mais renomados conseguiam superar.

Um exemplo clássico de crowdsourcing muito antes da internet é o Dicionário Oxford de Inglês, que levou 69 anos para ser concluído (de 1878 a 1927) e envolveu o trabalho de mais de 800 editores.

Na era moderna, temos a inigualável Wikipédia, com mais de 140 mil voluntários contribuindo ativamente (editando ou escrevendo conteúdo nos últimos 30 dias, conforme dados de março de 2019) para construir a maior enciclopédia livre da internet.

Assim, por mais que a tecnologia tenha moldado o crowdsourcing que conhecemos hoje, a ideia da colaboração coletiva é muito mais ampla.

O que é o crowdsourcing nas empresas

Definir o que é crowdsourcing nas empresas é mais simples: utilizar o potencial das multidões e de grandes grupos de pessoas para solucionar tarefas e projetos que normalmente seriam executados por times restritos.

Nos últimos anos, as empresas descobriram como aproveitar o poder das massas para executar funções repetitivas, votar em enquetes, arrecadar fundos, desenvolver novos produtos e captar ideias inovadoras.

Com o avanço do crowdsourcing, as soluções coletivas estão cada vez mais complexas, abrangendo áreas mais estratégicas e centrais das organizações.

Para organizar a nova tendência, surgiram plataformas de crowdsourcing que conectam empresas e projetos às comunidades online, facilitando o crescimento da colaboração coletiva.

Embora essa conexão se expanda muito além dos muros da organização, o potencial da comunidade interna também é plenamente aproveitado, graças às ferramentas que organizam as contribuições.

Além disso, as inovações tecnológicas incluíram a inteligência artificial nos mecanismos de crowdsourcing, tornando a cooperação ainda mais extensa.

Como funciona o crowdsourcing na prática

Na prática, o crowdsourcing é utilizado em diversas áreas da empresa para mobilizar comunidades internas e externas em projetos colaborativos.

No marketing, por exemplo, o crowdsourcing pode ser aplicado na obtenção de ideias para campanhas, eventos e produtos em geral.

Afinal, é consenso que as ideias geniais podem surgir de qualquer lugar, e há muito mais chances de encontrar algo inovador em uma multidão de indivíduos pensantes.

Já no RH, o crowdsourcing é tipicamente empregado para melhorar as conexões dentro e fora da empresa, integrando as redes de colaboradores e prestadores de serviços.

Dessa forma, a empresa tem acesso à inteligência coletiva de seus colaboradores e também a um contingente de novos talentos que não poderia ser alcançado por outros meios.

Outro exemplo são as empresas de tecnologia, que utilizam o chamado crowdtesting para delegar os testes de determinados sistemas e aplicações às comunidades virtuais.

Segundo uma pesquisa da eYeka, de 2014, publicada na Forbes, 85% das maiores marcas do mundo haviam utilizado o crowdsourcing nos últimos dez anos.

O estudo ainda mostra que os conteúdos em vídeo e ideias são os principais recursos buscados no crowdsourcing, especialmente por meio das plataformas online.

Em síntese, o crowdsourcing é a solução ideal para qualquer problema que a empresa não consegue resolver com seus meios tradicionais ou que se beneficiam de maior rapidez e assertividade do que indivíduos e equipes isolados são capazes de entregar.

Uma das principais vantagens do método é que a multidão em questão é composta por um público engajado e comprometido, que pode envolver colaboradores, clientes e parceiros.

Além disso, se o objetivo é arejar as ideias, as multidões são perfeitas para injetar criatividade e pontos de vista inéditos na organização – basta saber conduzi-las.  

Exemplos de crowdsourcing

Para entender definitivamente o que é crowdsourcing, nada melhor do que conferir alguns exemplos.

Vamos aos cases de sucesso das plataformas de crowdsourcing:

Univar

A Univar é uma empresa global que lidera o mercado de distribuição de produtos químicos e serviços inovadores.

Escute e selecione as melhores ideias com crowdsourcingPowered by Rock Convert

O crowdsourcing foi a aposta da organização para melhorar a saúde da suas conexões, transformando a comunicação e gestão de pessoas.

Para isso, a Univar investiu em uma plataforma capaz de coletar feedbacks de clientes em tempo real, muito mais eficiente que as tradicionais pesquisas de satisfação.

Depois de comprovar os resultados, a empresa expandiu o crowdsourcing aos colaboradores, que passaram a contribuir com opiniões para aprimorar os treinamentos, eventos e atividades do RH.

Grupo Educacional Apollo

O Grupo Educacional Apollo é líder em ensino superior para adultos nos EUA, com mais de 250 mil alunos em 4 universidades renomadas.

Durante um período de reestruturação, a empresa diagnosticou um clima organizacional preocupante entre os colaboradores, que se sentiam inseguros com os rumos da companhia.

Para solucionar a questão, a empresa optou por uma plataforma de crowdsourcing que viabilizou a realização de uma série de enquetes, somando mais de 7.500 respostas.

Além disso, o grupo também organizou reuniões para ouvir diretamente as opiniões dos colaboradores.

Com isso, os níveis de engajamento aumentaram substancialmente e o senso de pertencimento se tornou regra na empresa.

Betenbough Holmes

A Betenbough Holmes é uma empresa especializada em construção de casas que investiu no crowdsourcing para fortalecer sua cultura organizacional.

A empresa cresceu rapidamente em um curto período, e começou a ter dificuldades em manter uma cultura coesa em quatro cidades diferentes.

A solução encontrada foi uma plataforma com sistema exclusivo de pulsos, que permitiu medir os feedbacks dos colaboradores em tempo real e direcionar os valores da empresa de acordo com o perfil da força de trabalho.

Ao obter respostas precisas sobre o relacionamento entre gerentes e funcionários, saúde do trabalhador e outros aspectos essenciais, a empresa conseguiu proporcionar o equilíbrio necessário entre a vida profissional e pessoal.

O resultado foi o engajamento absoluto das equipes e motivação para continuar crescendo.

Advanced Learning Institute (ALI)

O Advanced Learning Institute (ALI) é uma empresa que produz e organiza conferências para profissionais de diversas indústrias, desde comunicação até saúde e tecnologia.

Com um grande fluxo de eventos em diferentes áreas, o instituto enfrentava dificuldades em organizar experiências de impacto para seu público.

Para descobrir o que as pessoas queriam, a empresa passou a utilizar uma plataforma de crowdsourcing para pedir sugestões sobre a programação e conteúdo dos eventos.

Foram milhares de respostas recebidas e devidamente organizadas para obter os dados valiosos que a ALI buscava.

A partir dos insights, a empresa aplicou as ideias na organização de eventos e obteve excelentes níveis de engajamento e participação.

Heineken

Heineken é conhecida pelas suas abordagens inovadoras em gestão de pessoas, e não por acaso utiliza o crowdsourcing para melhoras suas estratégias de inclusão e diversidade.

Graças à tecnologia das plataformas de crowdsourcing, a empresa consegue se conectar com seus 8 mil colaboradores no mundo todo.

A tecnologia foi fundamental para impulsionar os programas de inclusão da empresa e garantir uma força de trabalho engajada, diversa e comprometida com a imagem da marca.

O resultado são feedbacks constantes, integração total e intensa participação dos colaboradores nas decisões da empresa, por meio de um ambiente online fácil de usar e compartilhar informações.

Crowdsourcing x crowdfunding

A confusão entre o que é crowdsourcing e crowdfunding é muito comum, mas os dois conceitos estão intimamente relacionados.

O crowdfunding é o financiamento colaborativo, ou seja, uma das possibilidades do crowdsourcing que envolve arrecadação de fundos voluntária para um projeto.

Algumas plataformas conhecidas de crowdfunding são o KickstarterCatarse e Indiegogo, onde os apoiadores podem contribuir financeiramente para viabilizar projetos de seu interesse.

Nesses sites, você pode encontrar desde projetos para viabilização de ações sociais até desenvolvimento de produtos inovadores.

Geralmente, os usuários ganham algum tipo de recompensa por financiar o projeto assim que a meta é atingida, como exemplares exclusivos, brindes e assinaturas.

Uma tendência recente é o crowdfunding para startups, que levanta recursos de investidores por meio das plataformas online.

No Brasil, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) regulamentou o investimento em startups pelas plataformas de equity crowdfunding em 2017, conforme noticiado pela Forbes Brasil.

De modo geral, o apelo do crowdfunding está no poder coletivo de financiar qualquer projeto de interesse público, o que inclui iniciativas sociais, produtos culturais, pesquisas científicas e empreendimentos.

Plataforma de crowdsourcing

A plataforma de crowdsourcing é qualquer ambiente online que utiliza a contribuição coletiva para realizar tarefas, gerar ideias e criar projetos.

Hoje, existem inúmeros tipos de plataformas de crowdsourcing públicos e privados, com os mais variados objetivos.

Segundo o estudo The state of crowsourcing in 2017 da eYeka, as plataformas ativas estão divididas entre os segmentos:

  • Inovação (59%): inovações em produtos, serviços, experiências e modelos de negócio
  • Comunicação e marketing (34%): estratégias de branding, ativação, promoções e publicidade em geral
  • Design (7%): criação de materiais e contratação de freelancers.

Entre 2015 e 2016, o crescimento das plataformas de inovação foi de 60%, enquanto o segmento de comunicação cresceu 38%.

Outros tipos comuns de plataformas de crowdsourcing são as soluções em crowdvoting (enquetes coletivas), distribuição de tarefas e comercialização de conteúdos (fotos, ilustrações e vídeos).

Além disso, há plataformas voltadas especialmente para a aplicação do crowdsourcing dentro das empresas, como no caso da Waggl.

Inspirada pela força do coletivo, a Waggl é uma plataforma de crowdsourcing desenvolvida para coletar o feedback de colaboradores, clientes, fornecedores e demais públicos de interesse da organização.

Por meio de enquetes, pesquisas, votações, questionários e avaliações, os participantes respondem às mensurações dinâmicas chamadas de pulsos.  

Assim, os administradores da plataforma adquirem uma visão panorâmica da organização, acompanhando os resultados e opiniões do público em tempo real.

Entre as aplicações da Waggl, destacam-se a gestão de pessoas, alinhamento da cultura organizacional, criação de treinamentos mais assertivos e relacionamento com a comunidade.

Em resumo, a plataforma utiliza a tecnologia crowdsourcing para transformar a sabedoria coletiva dos usuários em resultados para a empresa.

E então, entendeu melhor o que é crowdsourcing e como utilizar a sabedoria do coletivo em sua organização

Então, que tal avançar um pouco mais e conferir nosso e-book que mostra, passo a passo, como tomar decisões mais assertivas a partir da sabedoria coletiva? Confira: Crowdsourcing e a Revolução na Tomada de Decisões Empresariais.