Há algumas décadas, o livro Human Resource Champions, do autor Dave Ulrich, apresentava ao mundo corporativo o business partner (consultor interno). Esse profissional, segundo a obra, tem um propósito nobre no RH, sendo que sua atuação influencia diretamente as estratégias da empresa.

Mas qual é a função de um business partner? Como suas atribuições podem fazer parte da identidade do RH? Qual é o meio mais prático de integrá-lo ao setor? Continue lendo este artigo e descubra!

Qual é o papel do business partner no RH?

Em poucas palavras, o business partner tem um papel fundamental no RH. Mas, para tanto, ele precisa reter um profundo conhecimento dos processos internos, das estratégias, da cultura e da identidade do departamento de Recursos Humanos. Com esse aprendizado, o profissional consegue:

  • aconselhar os líderes quanto a assuntos referentes à gestão de pessoas e ao direcionamento de processos;
  • manter o equilíbrio no relacionamento entre os gestores e os subordinados;
  • analisar o tipo de treinamento ideal para fomentar o desenvolvimento dos colaboradores;
  • identificar falhas nas demandas e nos serviços dos times, propondo soluções;
  • mensurar os impactos das políticas internas e a necessidade de mudanças.

Quando as funções acima são plenamente exercidas pelo business partner, a evolução do RH e a otimização dos processos são claramente observadas. Como resultados, tem-se o bem-estar dos colaboradores e a prosperidade do negócio.

Como tornar o RH da empresa um business partner?

É interessante que as atribuições do business partner possam fazer parte da personalidade do RH. Mas como assim? Assim como esse profissional atua em uma parceria estratégica, visando à elevação do desempenho do RH, esse setor, por sua vez, pode ter a mesma importância para a organização. A seguir, veremos algumas dicas que ajudarão sua empresa a ter um RH com o nível de um business partner.

1. Ganhe a confiança dos líderes

Para que os gestores do RH ouçam os conselhos do business partner, é necessário que o respeitem e confiem em suas orientações, certo? Essa credibilidade é construída à medida que as sugestões são aplicadas e geram resultados satisfatórios. Do mesmo modo, o RH deve ganhar a confiança da alta administração e dos gestores das outras áreas da empresa. Para conseguir isso, é preciso ser atuante, propondo soluções que beneficiem toda a organização.

Suponha que, ao mensurar o nível de produtividade dos profissionais internos, o time do RH perceba uma queda no desempenho de determinado setor. Em vez de apenas criticar ou dizer o que precisa ser feito, é melhor fazer uma reunião com os gestores desse departamento para levantar os motivos da baixa produtividade e analisar meios eficazes para contê-la.

2. Use dados para tomar decisões importantes

Contra provas não há argumentos. Essa frase é verdadeira e aplica-se a uma entidade empresarial. Sendo assim, antes de tomar decisões importantes, que vão influenciar os rumos institucionais, o RH precisa obter números, gráficos, pesquisas e estudos que respaldem seus argumentos.

O mesmo acontece quando os gestores de RH participam de uma reunião com outros membros da liderança. Portanto, é importante que o setor conte com as mais poderosas, inovadoras e eficientes ferramentas tecnológicas.

Escute e selecione as melhores ideias com crowdsourcingPowered by Rock Convert

Essas aplicações virtuais ajudam na elaboração e na mensuração de vários KPIs (indicadores de desempenho). Eles são registrados em relatórios que servem como base para a tomada de decisões. Agindo assim, o RH atua como um business partner, direcionando a vanguarda da companhia aos melhores caminhos corporativos.

3. Atue como agente de mudanças

Quando um profissional é contratado para assumir o cargo de business partner, todos esperam que ele atue ativamente para inovar os processos internos da empresa. De modo similar, um RH com o perfil desse especialista tem a responsabilidade de fazer as mudanças necessárias acontecerem.

Infelizmente, em muitas companhias, o RH não passa de um setor que admite, demite e cuida da folha de pagamento dos funcionários. Porém, como detentor da gestão do capital humano, nenhum outro departamento da organização está mais habilitado para transformar demandas ineficientes.

Até conquistar essa reputação, porém, o RH precisa começar aprimorando seus próprios serviços. Adotar uma plataforma virtual em vez de continuar com as práticas manuais e morosas do processo de recrutamento e seleção é uma boa alternativa. Além disso, a implantação de uma política de feedbacks fortalecerá a comunicação no setor e elevará a competência profissional dos colaboradores.

Feito isso, o RH dará o exemplo e, ao propor uma mudança que afete toda a organização, conseguirá que os demais concordem. Com o tempo, o business partner da área deterá o título de agente de mudanças.

4. Treine os colaboradores

Como já dito, uma das funções do business partner é observar, com o intuito de fornecer a melhor forma de treinamento para os colaboradores. De maneira semelhante, o RH deve ser o divulgador e promotor do conhecimento e da capacitação do time interno. Inicialmente, o estudo detalhado sobre as necessidades dos profissionais, aliado a uma pesquisa sobre o perfil educacional de cada um deles, demonstrará qual forma de ensino é mais apropriada para a realidade da empresa.

Após isso, o RH poderá divulgar e incentivar a implantação e a participação de todo o time interno nos processos de educação corporativa. Com a ajuda da tecnologia, as aulas se tornarão mais interativas e interessantes.

Quais são os principais desafios encontrados?

Mesmo diante da importância e dos benefícios de um RH business partner, temos de ser realistas: há desafios no processo de implantação desse conceito. Porém, identificando os principais, fica mais fácil criar estratégias para vencê-los ou contorná-los. Vejamos alguns deles:

  • a realização efetiva das funções do business partner ainda encontra muitas barreiras nas organizações;
  • o alcance da satisfação de toda a empresa (líderes, funcionários, parceiros e investidores) com as estratégias apresentadas não gera um equilíbrio interno por enquanto;
  • ainda há uma falta de planejamento para alinhar as metas do RH às da companhia e, assim, alcançar resultados positivos;
  • a falta de capacitação do time interno afeta seu desempenho.

Embora o conceito de business partner não seja tão explorado pela maioria dos negócios, aos poucos a necessidade de implantá-lo no RH tem sido percebida. Com esforço e paciência, você também conseguirá ter esse nível de serviço no seu departamento.

Gostou de saber mais sobre como tornar o RH um business partner? Quer se aproximar dos funcionários? Então, aprenda a arte de fazer as perguntas certas para obter as respostas que você precisa!

Powered by Rock Convert