Há uma questão pouco abordada em relação à liderança: o que não fazer

Muitas vezes, os líderes têm o preparo necessário e as competências para guiar equipes, mas cometem erros básicos que poderiam ser evitados.

Logo, é importante discutir essas falhas e ir além dos protocolos tradicionais, pensando em como desenvolver a nova liderança, o que não fazer e o que fazer para melhorar a gestão.

Neste artigo, trazemos os 8 erros mais comuns dos gestores para contribuir com a sua evolução. 

Siga a leitura e avance como líder

Liderança: o que não fazer é a questão

Eis o novo paradigma da liderança: o que não fazer deve ser sua primeira preocupação. 

Afinal, a imagem clássica do líder corporativo como figura de autoridade não reflete mais a realidade das empresas modernas, que exigem outra abordagem de seus gestores.

Ao invés de centralizar responsabilidades e ter todas as certezas, os novos líderes precisam abrir mão do poder e promover uma cultura mais colaborativa entre as equipes, abrindo espaço para a participação de todos.

Além disso, devem liderar pelo exemplo, assumindo uma posição de referência e inspiração para os outros — e não de domínio.

Com essas mudanças profundas, CEOs do mundo todo estão focados em preparar sua liderança para os novos desafios. 

De acordo com o relatório Global Leadership Forecast 2018, publicado pelas consultorias DDI, The Conference Board e EY, 64% dos CEOs afirmam que sua prioridade número um é desenvolver a próxima geração de líderes da empresa.

No entanto, apenas 14% dizem possuir os talentos ideais em seu plano sucessório, revelando a preocupação em desenvolver lideranças prontas para o novo cenário.

Um dos grandes destaques do estudo é a alta performance da nova liderança digital, que garante um desempenho financeiro 50% maior para as empresas.

Para você entender melhor o conceito, estas são as competências-chave de um líder digital identificadas no relatório:

  • Domínio da tecnologia para modernizar e impulsionar as estratégias de negócio
  • Capacidade de navegar em um cenário complexo e lidar com a disrupção da era digital, adaptando-se na mesma velocidade das mudanças 
  • Habilidade de se conectar com pessoas e promover a “hipercolaboração”, mesmo em ambientes dispersos e sobrecarregados de informação
  • Capacidade de se relacionar de forma profundamente humana e integrar as pessoas à tecnologia, combinando as habilidades técnicas com um forte senso de empatia e inclusão
  • Raciocínio analítico e holístico, capaz de buscar soluções criativas e inovadoras
  • Conhecimento para tomar decisões com base em dados e análises preditivas
  • Habilidade de manter a eficiência em um ambiente de incertezas e imprevisibilidade
  • Domínio dos métodos ágeis, cultura data-driven e mindset experimental com foco no futuro. 

Esse é um perfil muito diferente da liderança tradicional, concorda?

Por isso é tão importante saber o que fazer e o que não fazer na nova posição de líder — começando por evitar os erros mais comuns

8 erros mais comuns na liderança e como superá-los

Agora você está pronto para uma lição fundamental da liderança: o que não fazer e como evitar os principais erros dos nossos tempos. 

Se você quer alcançar o perfil do líder digital e transformador, é melhor prestar atenção nestes 8 pontos:

1. Não delegar tarefas 

Saber delegar é uma arte e ciência da liderança, pois não basta transmitir uma tarefa e esperar pelo resultado.

É preciso transferir a responsabilidade para os liderados deixando claro o objetivo, expectativas e direcionamentos da função, além de acompanhar de perto o desenvolvimento do trabalho.

Logo, um dos principais erros dos líderes — principalmente os recém-promovidos —, é não delegar tarefas como deveriam ou delegar da forma errada

Muitos acabam tomando todas as tarefas para si, ou porque não sabem transmiti-las, ou porque acham mais fácil fazê-las por contra própria. 

No entanto, esse é um comportamento perigoso, pois delegar é justamente uma das competências centrais dos líderes — indispensável para guiar a equipe e alcançar os resultados esperados. 

2. Não dar autonomia aos liderados

Os líderes que falham em delegar também costumam pecar na distribuição de poder, pois têm o hábito de tomar todas as decisões sozinhos.

Na liderança atual, é preciso oferecer autonomia aos liderados e deixar que tomem a iniciativa, contribuam com opiniões e se responsabilizem por tarefas e projetos. 

Afinal, a era digital favorece culturas mais horizontais, onde a rigidez hierárquica só atrapalha o avanço da inovação e da criatividade na solução de problemas. 

Ao deixar que os liderados assumam uma responsabilidade maior, sempre sob supervisão, você faz o papel de líder motivador e impulsiona o crescimento dos profissionais — exatamente o que se espera de um líder da era digital. 

3. Falhar na comunicação 

Uma das soft skills mais desejadas nos líderes é a habilidade de comunicação, que é fundamental para manter relacionamentos e influenciar pessoas.

Para se comunicar com efetividade, você precisa transmitir as mensagens com clareza, empatia e consistência, adaptando a linguagem e o tom de acordo com o perfil da equipe. 

Banner Horizontal Aplicação LP EX Powered by Rock Convert

Por isso, os grandes líderes são excelentes comunicadores, capazes de se conectar com as pessoas e se fazer entender com facilidade. 

Por outro lado, um líder que falha na comunicação pode gerar mal-entendidos e deixar os colaboradores confusos e apreensivos, prejudicando todo o fluxo de trabalho. 

4. Não buscar o desenvolvimento profissional

Um dos piores erros que o líder pode cometer é achar que sabe de tudo, deixando de buscar conhecimento para crescer como profissional.

Hoje, mais do que nunca, o líder deve se colocar na posição de eterno aprendiz, disposto a se atualizar constantemente e superar suas inseguranças em nome do avanço profissional. 

O problema é que a figura tradicional do “chefe” dá a entender que o gestor deve ter todas as respostas. 

Muito pelo contrário: o verdadeiro líder é aquele que reconhece seus pontos fracos e admite suas dúvidas, tendo humildade e nobreza suficientes para se aperfeiçoar todos os dias. 

5. Não dar o exemplo

Praticar o que prega é a regra básica do líder atual, que deve influenciar seus liderados pelo exemplo

Dessa forma, exigir que os outros façam algo que você mesmo não pratica é um erro grave que atenta contra a essência da liderança — e desqualifica sua reputação. 

Por isso, ser o tipo de profissional que você quer na sua equipe é uma prioridade.

Ao mostrar sua responsabilidade, propósito e integridade, certamente você se tornará uma inspiração para todos ao redor. 

6. Não dar feedback

A ausência de feedback é uma omissão gravíssima para um líder, pois essa é uma das tarefas básicas da gestão de pessoas.

Não estamos falando daquele feedback feito uma vez no ano, como uma avaliação de desempenho burocrática que só serve para causar insegurança e apreensão nos colaboradores. 

Trata-se de um feedback contínuo, construtivo e individualizado, que ajuda o colaborador a melhorar seus pontos fracos, mas também reconhece e estimula seus pontos fortes. 

O importante, nesse caso, é dar o retorno com o timing correto e escolher a melhor ocasião, além de usar a conversa para incentivar o profissional — e não desmotivá-lo com críticas duras. 

7. Não ouvir sua equipe

Nada é mais desmotivador para os colaboradores do que sentir que seu gestor não dá ouvidos às opiniões e ideias da equipe. 

Para o líder transformador, o foco é empoderar pessoas e dar voz a todos, promovendo a inclusão e o pertencimento por meio de diálogos abertos e sinceros.

O líder medíocre, por outro lado, não se importa com o que os outros têm a dizer e perde a chance de obter contribuições valiosas dos colaboradores. 

Em um cenário de rápidas transformações e colaboração no centro da cultura, é impossível liderar equipes sem ouvir e valorizar suas ideias e feedbacks. 

8. Ter medo de correr riscos

O medo de correr riscos é um grande inimigo dos líderes modernos, pois o ambiente de incertezas exige coragem para inovar.

Consequentemente, o gestor que teme as mudanças transmite sua insegurança aos liderados, criando uma cultura engessada e avessa à experimentação. 

Para evitar esse cenário, você deve enxergar os erros como parte essencial da evolução, criando uma cultura de aprendizagem que favorece a inovação e a criatividade.

Em uma realidade data-driven, é mais fácil tomar decisões estratégicas e mitigar riscos, mas os erros fazem parte da jornada e devem ser encarados com naturalidade. 

Liderança: descubra o que não fazer com a Waggl

Depois de entender melhor a nova liderança, o que não fazer e como superar os principais erros, você também pode contar com a Waggl na sua trajetória de evolução

Com a nossa plataforma de crowdsourcing, você pode coletar ideias e opiniões e permitir que as pessoas votem nas melhores respostas para gerar um ranking exclusivo sobre os principais desafios da liderança — tudo de forma simples, rápida e transparente.

Já imaginou fazer uma pesquisa completa para descobrir o que seus colaboradores esperam dos líderes e envolver todos no processo de transformação da gestão?

Isso é possível com a metodologia de pesquisa pulso da Waggl, que transforma as opiniões das pessoas em insights poderosos para guiar sua tomada de decisão.

Assim, fica fácil entender o que não fazer como líder para melhorar os níveis de engajamento e produtividade

Para entender como funciona essa solução inovadora, é só agendar sua demonstração online.

Agora é com você: revise os principais erros e certifique-se de superá-los na sua gestão.

Banner Horizontal Aplicação Gestão Powered by Rock Convert