Os líderes podem contar com a cultura como uma das principais alavancas disponíveis em sua interminável busca para manter a viabilidade e a eficácia organizacionais. No entanto, essa é uma alavanca mais esquiva, porque boa parte dela está ancorada em comportamentos, modos de pensar e padrões sociais tácitos.

Infelizmente, líderes empenhados em criar organizações de alto desempenho — mas pouco interessados pela cultura — são bem mais comuns do que imaginamos. Na verdade, muitos deixam que ela siga fora de controle ou a relegam para o departamento de RH, onde se torna uma preocupação secundária para a empresa.

Os líderes podem traçar planos cuidadosos e detalhados de estratégia e execução, mas como não entendem o poder e a dinâmica da cultura, seus planos descarrilam. Como disse Peter Drucker, “a cultura devora a estratégia no café da manhã”.

Ao longo deste artigo, vamos procurar entender mais a fundo a importância da cultura organizacional, como ela impacta o desempenho das suas equipes e o que você pode fazer enquanto gestor para nutrir uma cultura positiva. Confira!

O que é cultura organizacional

Assim como acontece com um país, também as empresas possuem um sistema de crenças e valores, hábitos, rotinas, diretrizes éticas, morais e orientações quanto às políticas externa e interna. O conjunto de todos esses valores e sistemas é o que chamamos de cultura organizacional.

Assim, a cultura organizacional rege todas as dinâmicas da empresa, desde a forma como os colaboradores interagem entre si (se é de forma pacífica ou hostil) até tomadas de decisão em relação ao mercado em que atua.

Quando observamos por esse prisma, não é difícil entender a importância da cultura organizacional para o desenvolvimento de uma empresa: é ela que vai ditar não apenas os objetivos gerais a serem perseguidos, mas também a forma como se vai persegui-los.

É importante entender que toda empresa tem uma cultura organizacional. Afinal, onde quer que haja pessoas interagindo, haverá o desenvolvimento de um sistema de valores. Entretanto, muitos gestores não se dedicam à construção de uma cultura saudável, deixando que ela se forme espontaneamente. Ao fazer isso, o gestor assume um risco grave: o de deixar que uma cultura nociva tome conta da estrutura da sua empresa.

O que é uma cultura organizacional forte?

A cultura organizacional forte ocorre quando a empresa consegue consolidar um sistema de valores e crenças que a diferencie da concorrência e que mostre a sua identidade. Não é simples implementá-la, pois isso demanda muito tempo e dedicação para tal.

É necessário afirmar também que a cultura organizacional forte é uma opção dos gestores e do proprietário da empresa. Isto é, você deseja que a sua organização apresente essas características ou prefere um ambiente mais flexível, sem muita identidade, porém com uma adaptabilidade melhor?

Ambos os cenários apresentam seus pontos positivos e negativos. Entretanto, vale a pena considerar uma cultura organizacional forte, pois ela tende a facilitar o aprendizado e a consolidação de procedimentos na sua empresa, de forma a criar um sistema de valores muito bem fundamentado e um caráter diferencial no seu negócio. Esse diferencial afetará tanto os serviços e produtos como os requisitos para a contratação de novos profissionais.

Dessa forma, o impacto acaba se tornando maior entre os colaboradores em uma cultura organizacional forte, e isso se relaciona diretamente com a redução da rotatividade. As culturas fracas são facilmente alteradas, especialmente por não apresentarem os resultados desejados.

Quando a cultura organizacional é forte, os valores essenciais do processo são rapidamente assimilados, acatados e compartilhados entre todos os membros da organização. Quanto mais membros aceitarem e forem aceitos em relação ao comportamento, mais forte se tornará a cultura da empresa. Como ponto positivo desse aspecto, a cultura dá o alicerce para que o índice de rotatividade da força de trabalho seja baixo, pois os profissionais se adaptarão melhor à organização.

Por fim, devemos destacar que uma cultura organizacional forte demostra alto grau de afinidade entre os membros sobre o ponto de vista da empresa. É unanimidade que a geração dos propósitos gera coesão, lealdade e comprometimento perante a cultura da organização. Com esses atributos, é notada uma menor propensão dos funcionários em deixar à empresa.

Quais são os principais cases de sucesso de uma cultura organizacional forte?

Abordaremos agora os principais cases de sucesso sobre o tema. Aqui listaremos grandes empresas que conseguiram implementar uma cultura organizacional forte e explicaremos como isso as ajudou em seu crescimento. Falaremos de Google, Facebook, Twitter, Apple, Adobe, Netflix e Starbucks.

Google

Esse é um dos maiores exemplos que existem sobre um case de sucesso no quesito cultura organizacional. Ele é constantemente utilizado como referência para gestão de pessoas em vários eventos de startups e empreendedorismo.

Os funcionários do Google, a quem foram dados os apelidos carinhosos de Googlers, trabalham em um ambiente informal, divertido e muito vivo, o que contrasta com a maioria dos escritórios, com sua arquitetura impessoal e fria, fato que costuma ser seguido por sua cultura organizacional.

Dessa forma, são oferecidas refeição gratuitas, festas, viagens e premiações, além de uma série de benefícios aos funcionários. Dessa forma, uma das características mais marcantes da empresa é pensar no bem-estar do trabalhador. Com isso, todos saem ganhando: os colaboradores, por conseguirem mais vantagens e mais qualidade de vida, e a empresa, por contar com profissionais mais engajados e produtivos, o que melhora os resultados da organização.

Facebook

O Facebook se tornou, nesta década, um gigante da tecnologia. A rede social é a maior do planeta e, como se isso não bastasse, investiu na compra de muitas outras redes sociais, sendo as principais delas o WhatsApp e o Instagram.

Durante a análise sobre o sucesso dessa empreitada, aponta-se constantemente a influência da cultura organizacional da empresa como uma das causas principais do bom andamento do negócio. O foco no trabalho em equipe e a comunicação aberta favoreceram a inovação e o crescimento sustentável da organização.

Dessa forma, a empresa apresenta uma preocupação em estimular o crescimento pessoal e profissional de seus colaboradores. Como estratégia, os liderem dialogam com seus supervisionados de forma mais horizontal, deixando o método top-down de lado, o que contribui para o respeito e o entendimento entre ambas as partes.

Twitter

O Twitter é outra rede social gigante nos tempos atuais— está atrás apenas do Facebook. Ele revolucionou a internet ao inserir uma interface e um procedimento diferente de todas as outras redes sociais: adotou mensagens curtas como meio de propagação da mensagem de seus usuários.

Ao contrário de outras redes, que decaíram, o Twitter continua em alta e com mais integrantes a cada dia, o que mostra a vitalidade da empresa perante um mercado tão dinâmico. Uma das estratégias que a organização adotou para tal feito foi a criação de uma cultura organizacional forte, baseada na promoção do trabalho em equipe e na diversidade.

No escritório do Twitter, os colaboradores são inseridos em um ambiente descontraído, amigável e motivador. Além disso, o local de trabalho conta com atividades diferenciadas, como aulas de yoga. Tudo pensando na qualidade de vida dos funcionários.

Apple

A Apple é uma das empresas de tecnologia de maior sucesso de todos os tempos, ao lado da Microsoft. Ela foi desenvolvida por Steve Jobs, um dos maiores gênios do mercado. Seus produtos são, desde a sua fundação, sinônimos de qualidade, sofisticação e design.

Para que isso fosse consolidado e ampliado, a empresa criou uma cultura organizacional forte, em que o foco é a criatividade, a autonomia dos colaboradores no desenvolvimento de suas atividades e a inovação. Com essa atitude, a liberdade dos profissionais para desenvolverem seus trabalhos foi aumentada, o que gerou soluções mais criativas e inovadoras para a empresa.

Devido a isso, Steve Jobs, fundador da Apple, costumava afirmar que a organização não se tratava de uma simples empresa de tecnologia, mas de um negócio que trabalha com arte e que, eventualmente, produz bons produtos tecnológicos.

Adobe

A adobe é uma empresa que oferece soluções em software para os seus clientes. De forma geral, também oferece suporte e ferramentas profissionais, com opções diferenciadas de manuseio e configuração.

Além de proporcionar vantagens e benefícios semelhantes aos da maioria das empresas modernas contemporâneas, a Adobe apresenta uma cultura que evita o microgerenciamento, deixando seus colaboradores mais livres e confiando que eles darão o melhor de si na execução de suas atividades.

Dessa forma, a Adobe é uma empresa que preza pela criatividade e acredita que ela e a inovação são estimuladas pela liberdade que os colaboradores têm no momento de produzir. Os gestores assumem um papel de coach, guiando todo o processo, estudando métodos de avaliação e incentivando os profissionais da empresa a definirem suas próprias metas.

Netflix

A Netflix é a maior plataforma de stream do mundo. A empresa foi criada recentemente, ainda nos anos 2000. Em 2009, um dos fundadores da organização elaborou um manifesto, em que destaca as bases da cultura organizacional da empresa. Essa cultura foi intitulada como “Cultura Netflix: Liberdade e responsabilidade”. Como o próprio nome sugere, ela é baseada nos princípios da liberdade para os funcionários, desde que sejam respeitadas as suas devidas responsabilidades com a empresa.

Além disso, o documento defende a importância da manutenção das condutas e dos processos flexíveis como solução para evitar gastos desnecessários gerados por um amplo sistema de controle. Todavia, como vimos, não se abre mão da responsabilidade de cada funcionário sobre suas atividades.

Starbucks

A Starbucks é a maior cafeteria do mundo, tendo lojas franqueadas em diversas partes do planeta. Sua cultura organizacional é parte dessa conquista. Ela é focada em dois pilares: sustentabilidade e bem-estar da comunidade. Essa cultura está tão enraizada que algumas lojas franqueadas costumam dar descontos aos clientes que reutilizarem o copo de café. Além disso, as lojas têm o hábito de promover ações que alertem e estimulem a consciência ambiental em seus funcionários e clientes.

Com o exemplo citado anteriormente, deu para perceber que há vários tipos de cultura organizacional. É possível desenvolver uma para a natureza particular de cada empresa, levando em consideração a sua área de atuação, a sua percepção sobre o mercado, como ela busca ser vista pelos clientes etc.

Dessa forma, os pilares da cultura organizacional costumam ser também os pilares da empresa. Uma cultura forte ressalta esses aspectos e só tende a contribuir para influenciar de forma positiva os negócios.

Quais são as características da cultura organizacional?

Agora falaremos sobre as principais características que uma cultura organizacional oferece à empresa: inovação, tomada de responsabilidade e riscos, atenção aos detalhes, orientação para os resultados, motivação e engajamento para os colaboradores, orientação para a equipe e competitividade.

Inovação

inovação é uma das características mais marcantes que a cultura organizacional de uma empresa pode proporcionar para a instituição como um todo. Não à toa, grandes empresas de tecnologia, que por definição precisam estar em dia em relação a fatores como a inovação, são as que mais desenvolvem culturais organizacionais modelos para o mundo. Entre as empresas, podemos citar o Google, o Twitter e o Facebook.

Tomada de responsabilidade e riscos

Há uma frase muito famosa, dita pelo economista Milton Friendman, vencedor do Nobel de Economia, em que afirma que “não há negócios sem riscos”. Dessa forma, os riscos são parte do dia a dia de uma empresa. Em vez de evitá-los, a cultura organizacional proporciona que os colaboradores os enfrentem diariamente e que, com isso, cresçam profissionalmente e pessoalmente.

Atenção aos detalhes

Para que a cultura organizacional dê certo, é necessário que todos os itens relevantes sobre o assunto sejam analisados de forma clara e objetiva. Dessa forma, é fundamental estar atento a todos os detalhes envolvidos, desde o conceito ao tipo de estratégia mais adequado para a realidade da sua empresa. Além disso, também é preciso focar nos resultados.

Orientação para os resultados

A cultura organizacional não é um instrumento que serve apenas para humanizar a empresa. Ela precisa apresentar resultados quanto à melhoria da produtividade e do lucro da organização. Assim, por meio dela, é possível ter um diferencial de mercado, atrair bons resultados e oferecer os melhores produtos e serviços.

Motivação e engajamento para os colaboradores

Para que o profissional aumente sua produtividade, é necessário uma série de fatores. Entre eles, podemos citar o conhecimento de causa sobre o serviço ou produto que está sendo produzido, além de incentivos para que o colaborador possa dar o seu melhor na empresa. Entre esses incentivos, podemos destacar aumento de salário, oferecimento de benefícios, ambiente aconchegante e uma cultura organizacional que inspire o funcionário a dar o seu melhor.

Escute e selecione as melhores ideias com crowdsourcingPowered by Rock Convert

Orientação para a equipe

O maior diferencial que uma empresa pode ter não são as suas máquinas, muito menos o seu capital, mas profissionais especializados na sua área, engajados e orientados para o trabalho em equipe. A cultura organizacional proporciona esse tipo de interação, o que beneficia a empresa como um todo, pois gera maior comunicação entre setores distintos, além de facilitar a compatibilização de projetos.

Competitividade

Por fim, mas não menos importante, o clima organizacional de uma empresa é capaz de dar a ela maior competitividade no mercado. Em geral, essa competitividade acontece com o aumento da produtividade, seja com o crescimento da produção em números absolutos, seja com a melhora na fabricação de produtos ou serviços, tudo isso aliado a um preço competitivo no mercado local ou internacional.

Quais são os tipos de cultura organizacional?

Falaremos agora sobre os principais tipos de cultura organizacional: cultura do poder, cultura de papéis, cultura de tarefas e cultura de pessoas. Ao final, daremos algumas dicas do que sua empresa deve fazer para encontrar a alternativa certa para ela.

Cultura do poder

Nesse tipo de cultura organizacional, temos uma hierarquia top-down, em que a liderança e o poder na tomada de decisão são concentrados em uma única pessoa, ou em um pequeno grupo seleto de indivíduos. Em geral, essas pessoas são os gestores ou os proprietários da empresa.

Dessa forma, na cultura do poder, os colaboradores são estimulados a conquistar resultados. Esse estimulo pode acabar gerando um clima de competição entre os profissionais, que pode se tornar perigoso para a empresa em algumas situações.

A cultura do poder é mais comum em empresas pequenas, pois é baixa a chance de conflitos internos decorrentes do poder centralizado em apenas uma pessoa ou em grupo de pessoas. Entretanto, vale ressaltar que esse tipo de cultura pode limitar o crescimento das empresas, especialmente por não permitir o desenvolvimento das habilidades de seus colaboradores.

Cultura de papéis

Nesse tipo de cultura, o foco é voltado para as funções desenvolvidas por cada um dos colaboradores. Dessa forma, cada setor e cada funcionário tem maior autonomia para realizar suas próprias tomadas de decisão.

Para que isso se torne possível, é necessário que os níveis hierárquicos da empresa estejam bem estabelecidos. Todavia, essa mesma estrutura é prejudicial em alguns pontos, pois a falta de flexibilidade durante a execução das tarefas é uma das consequências da estrutura hierárquica rígida.

Os procedimentos são pensados de forma que se tornam muito bem definidos e, em alguns casos, até mesmo, engessados. Com isso, não é dado muito espaço para que novas ideias e melhorias sejam implementadas para otimizar o processo. Esse fator pode trazer certa lentidão para a realização de trabalhos.

Entre os pontos negativos que os especialistas costumam apontar nesse tipo de cultura, temos a tendência para a criação de profissionais mais acomodados, que não apresentam nenhuma preocupação com seu crescimento dentro da empresa.

Além disso, é destacada a falta de interação e comunicação entre colaboradores distintos e de diferentes setores, o que pode prejudicar a compatibilização de projetos, a criação de novas ideias e a solução de problemas.

Cultura de tarefas

Esse tipo de cultura organizacional é muito elogiado por profissionais renomados e estudiosos da academia sobre o tema. A explicação dada para o sucesso da cultura de tarefas é o fato dela contar com profissionais específicos de acordo com suas habilidades e ações a serem desenvolvidas, o que agrega muito conhecimento à organização.

Na cultura de tarefas, entende-se que a solução dos problemas é mais eficiente quando o foco é passado para os profissionais da empresa, por isso é importante reconhecer e contratar pessoas preparadas para lidar com as mais variadas situações. Em geral, busca-se por indivíduos avessos à mesmice e à previsibilidade. A preferência é por pessoas inovadoras, que se adaptam e crescem no momento de pressão.

Dessa forma, entende-se também que é necessário adotar certa flexibilidade em relação à rotina de trabalho, uma vez que ela deve ser ditada pelos acontecimentos que envolvem o processo e a empresa.

Esse cenário costuma influenciar de modo positivo o clima organizacional da instituição, uma vez que a liberdade de trabalho é valorizada e concedida aos seus colaboradores e, assim, eles se sentem mais à vontade para dar ideias e propor soluções. Com isso, os profissionais se mantêm engajados e motivados, tornando-se altamente produtivos.

Cultura de pessoas

Esse tipo de cultura, como o próprio nome dá a entender, tem o seu foco nas pessoas, ou seja, nos colaboradores que fazem parte da empresa. As organizações que a adotam valorizam muito o trabalho dos seus funcionários, além do crescimento profissional de cada um deles e da integração dos indivíduos com a equipe de forma geral.

Dessa maneira, o profissional, na cultura de pessoas, é colocado em primeiro lugar, recebendo espaço para dar pontos de vista, ideias e soluções que podem ser levadas em consideração pela empresa. Com isso, há uma maior noção de pertencimento do colaborador quanto aos trâmites da organização, o que o torna mais engajado e produtivo.

Além disso, vale destacar que algumas questões, como o plano de carreira e a retenção de talentos, são bem manipuladas pelos gestores, pois há a necessidade de buscar a formação de líderes que possam dar continuidade ao trabalho e ao legado de seus antecessores, garantindo assim o crescimento das pessoas e da empresa de forma conjunta.

Ainda que a cultura de pessoas seja positiva para o colaborador, uma das desvantagens dessa opção é que, algumas vezes, por focar nos talentos, outros fatores importantes são deixados de lado, como cuidados com a infraestrutura, relacionamento com os parceiros, entre outros. Dessa forma, é fundamental ficar atento para não perder o equilíbrio.

Qual o tipo de cultura organizacional mais adequado para minha empresa?

Como você pôde observar, há vários tipos de cultura organizacional. Agora, você pode estar se perguntando: “mas afinal, qual é a melhor opção para a minha empresa?”. Entretanto, essa resposta não é simples de ser dada, pois é necessário avaliar uma série de fatores que apenas pessoas que conhecem a sua organização a fundo podem reconhecer. Você, como gestor ou proprietário, é a melhor pessoa para decidir sobre a opção ideal.

De forma geral, ressaltamos que não há cultura organizacional melhor ou pior, mas sim culturas que apresentam aspectos diferentes. Cada uma pode funcionar de forma adequada, dependendo do contexto em que é inserida, do ramo do negócio, do tamanho da empresa etc. Também devem ser levados em consideração outros fatores, como gestão de resultados, engajamento dos colaboradores com as ideias da empresa a respeito da cultura organizacional, entre outros.

Em geral, os aspectos a serem levados em consideração são o ramo da empresa, o seu tamanho, o perfil dos funcionários, a filosofia da organização etc. Vale ressaltar que a cultura organizacional é um instrumento que deve contribuir para a melhoria da produtividade dos colaboradores e da empresa como um todo e, caso não seja dessa forma, ela deve ser alterada para outra que funcione.

Empresas de tecnologia, por exemplo, são reconhecidas como locais que necessitam de pessoas inovadoras e criativas. Dessa forma, é essencial que a cultura organizacional seja feita e aplicada para promover esses atributos em seus colaboradores. Em geral, a cultura focada nas pessoas é a melhor alternativa. Além de empresas de tecnologia, podemos destacar os escritórios de design, de arquitetura e de moda como locais em que a cultura de pessoas se mostra a melhor solução.

Os benefícios de uma boa cultura organizacional

Separar um tempo para planejar e implementar iniciativas rumo a uma cultura organizacional saudável dentro da sua empresa, longe de ser um desperdício, é um dos melhores investimentos que qualquer gestor pode fazer. Portanto, desenvolver uma boa cultura organizacional não é um projeto e sim um processo diário, intencional ou não.

Confira abaixo alguns dos benefícios de uma cultura organizacional saudável.

Capacidade de inovação e de tomada de riscos

Imagine uma equipe que é sempre orientada a tomar atitudes conservadoras, reagindo aos movimentos do mercado, perderá excelentes oportunidades e não procurará ter idéias originais, tão habituada que está a apenas seguir a maré.

Por outro lado, em uma organização onde as pessoas são incentivadas a correr riscos e amplamente reconhecidas quando têm atitudes inovadoras, cria-se uma cultura de inovação e criatividade e um forte desejo de estar à frente do mercado, criando tendências em vez de segui-las.

Foco orientado ao resultado

Todos sabemos que, para alcançar a excelência, é fundamental que uma empresa tenha processos bem definidos e estruturados, os quais devem ser seguidos à risca. Entretanto, as pessoas podem muito facilmente centralizar o foco da sua atenção no processo e não nos resultados que ele deveria gerar.

O produto disso é uma cultura organizacional centrada em processos formais, incapaz de enxergar o quadro maior e reconhecer quando determinado modus operandi já não dá conta das necessidades e metas presentes.

Foco no capital humano

Como vimos no início do artigo, o maior ativo de toda empresa são as pessoas. Por isso, em uma empresa com uma cultura saudável, o foco no resultado que cada indivíduo deve ter é balanceado por um sentido profundo de respeito, colaboração e valorização das opiniões pessoais.

Trabalho em equipe mais fluido e bem organizado

Em empresas com uma cultura hostil, é comum vermos as equipes disputando entre si de forma contraproducente, em uma dinâmica que apenas retarda o crescimento da organização como um todo.

Com uma cultura interna bem construída, as equipes desenvolvem um senso natural de cooperação, trocando informações e insights valiosos a partir da percepção de que todos podem ganhar juntos.

O desenvolvimento de uma cultura organizacional saudável

Como vimos, investir em uma cultura saudável traz imensos benefícios para suas equipes, que certamente se traduzirão em ganhos de produtividade e em um maior impacto no mercado.

O próximo passo, naturalmente, é perguntar: como eu posso desenvolver uma cultura organizacional saudável em minha empresa? Para responder a essa pergunta, confira as dicas que separamos abaixo.

Tenha clareza nos objetivos

O entendimento da cultura organizacional da empresa começa com o estabelecimento de objetivos claros em todos os níveis hierárquicos. É fundamental que você, enquanto gestor, tenha atitudes transparentes e indique de forma inequívoca os caminhos que sua empresa irá tomar dali em diante.

Desenvolva suas equipes continuamente

O desenvolvimento dos profissionais deve ser parte fundamental da cultura da sua empresa. Se eles são seu ativo mais valiosos, você deve, naturalmente, cuidar para que esse ativo cresça e renda cada vez mais.

Esse processo de desenvolvimento deve ser encarado sob vários ângulos, empregando diferentes ferramentas, desde processos de feedforward e feedback e orientação de carreira até investimentos em saúde mental e bem-estar no ambiente de trabalho.

Invista em bons critérios de recrutamento

Toda empresa deseja ter em seu time os melhores profissionais do mercado, aqueles que trarão inovação e competitividade e colocarão sua marca em uma posição de destaque.

A melhor forma de garantir que as pessoas certas estarão com você é ter critérios de seleção e recrutamento bem alinhados com sua cultura organizacional, e não apenas focados em um currículo extenso.

Muitas vezes, profissionais com um currículo mais tímido mas com valores sintonizados com aqueles que a empresa prega se mostram ativos valiosos, desenvolvendo não só suas potencialidades individuais, mas contribuindo imensamente com suas equipes.

Por outro lado, pessoas com muita bagagem técnica mas perfil pouco alinhado com o da empresa são mais propensas a gerarem conflitos no ambiente de trabalho, além de permanecerem pouco tempo.

Cada vez mais as empresas estão se atentando para a importância da cultura organizacional e os impactos que ela tem no crescimento a médio e longo prazos. Se você gosta desse tema e quer saber mais sobre gestão de pessoas e estratégias de desenvolvimento de recursos humanos na sua empresa, assine nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo e de qualidade!

Powered by Rock Convert